Declaração 7 de Setembro

Declaração 7 de Setembro

Três virtudes cristãs estão contidas na poesia, triunfante, típica dos hinos pátrios: o sonho intenso que é lampejo de fé; o facho de luz que nos permite antever um futuro glorioso; e, a imagem do cruzeiro no céu faz descer à terra esperança e amor.
Por: Aliança Cristã Evangélica Brasileira
T

rês virtudes cristãs estão contidas na poesia, triunfante, típica dos hinos pátrios: o sonho intenso que é lampejo de fé; o facho de luz que nos permite antever um futuro glorioso; e, a imagem do cruzeiro no céu faz descer à terra esperança e amor.

Mas a fé no Brasil está em decréscimo. Os lhos desse solo querem deixar a mãe gentil. Jovens sonham emigrar para encontrar segurança e êxito em outro chão. Os pais, que desde cedo incutiram um segundo idioma, lamentam, mas apoiam a ideia. Em tempos de internet, o consolo da conversa diária a custo baixo faz o mundo parecer pequeno. Mentes brilhantes, força criativa e inovadora vão se perdendo por falta de confiança nos timoneiros da nação.

O amor está pálido como os cidadãos que aguardam atendimento nos hospitais públicos. O amor sangra nas ruas. Talvez, eu seja mais uma das vítimas de bala perdida ou mesmo atropelado por um motorista bêbado. A violência está desumanizando a nação. Cresce a indiferença e a selvageria.

A esperança está em fase terminal, ainda não morreu de teimosia. Muita gente já não acredita nos poderes republicanos e instâncias democráticas, portanto participativas. “Votar, para quê? Fica tudo igual. Votar em quem? Chega lá, se corrompe”. Os três poderes exalam o odor fétido da corrupção. Faz-nos lembrar do profeta Isaías, pois “cheiram como cadáveres insepultos se decompondo a luz do sol.”

“Se em teu formoso céu, risonho e límpido, a imagem do Cruzeiro resplandece…” Quem dera a cruz de Cristo iluminasse o Brasil e fosse para seus lhos prenúncio da ressurreição pátria, do despertar do gigante que ora dorme em berço esplêndido.

Quem dera os jovens acreditassem que é possível sonhar sonhos tupiniquins, que olhassem para o Cruzeiro do Sul e não à estrela do norte. Quem dera o amor pulsasse e zesse jorrar nas artérias e veias das cidades a gentileza e a solidariedade. Quem dera surgissem e fossem escolhidos líderes que alimentassem a expectativa de justiça em tempos de paz.

Ainda assim, me porei como o profeta que aguarda os juízos pelos pecados de sua nação ímpia. Não deixarei de orar por meu povo, com quem partilho o chão que piso e as estrelas. Não me deixarei desumanizar, mas serei um lampejo do Cristo-homem, do Verbo encarnado. Não desistirei de crer e esperar, até ver “paz no futuro e glória no passado”.

“Se tão-somente você tivesse prestado atenção às minhas ordens, diz o Senhor, o seu redentor, sua paz seria como um rio, sua retidão, como as ondas do mar” (Isaías 48.17,18).

autor: Aliança Evangélica Brasileira

Aliança Evangélica confessa sua fé em sintonia com o legado evangélico alicerçado nos marcos da Reforma Protestante: a suficiência das Escrituras, a mediação de Jesus Cristo e a justificação pela graça mediante a fé. Afirmamos a fé bíblica com a comunidade evangélica histórica e global, a partir do Credo Apostólico.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.