É preciso lamentar!

Jeremias, o profeta que sabia lamentar, não pretendia ficar sozinho neste ofício. Logo depois de ele declarar: “Sobre as montanhas desato a chorar e a gemer” (Jr 9.9) é Deus quem declara por meio dele: “Chamem as carpideiras, mandem vir as mais hábeis. Que comecem logo e cantem sobre nós uma lamentação. Nossos olhos derramem lágrimas e nossas pálpebras despejem água […] Mulheres, ensinem a sua filha como fazer um pranto, cada qual ensine à vizinha uma lamentação” (v. 16 e 19).

A razão de tanto choro era a morte e a desolação: “A morte subiu por nossas janelas e entrou em nossos palácios. Matou as crianças nas ruas e os jovens nas praças” (v. 20).

Precisamos aprender a lamentar, não de boca pra fora, mas de verdade, chorar de tristeza, convictos de que a morte não faz parte dos planos originais de Deus e de que Ele dá valor à vida.

No dia 19 de junho chegamos à marca de mais de 500 mil mortes por Covid-19 registradas pelo Ministério da Saúde do Governo Federal, dez vezes mais do que há um ano.

A Aliança Cristã Evangélica Brasileira vem a público expressar o seu lamento e a sua consternação pelas famílias enlutadas.

Aliança-Evangelica_01-07-21

Lamentamos:

A ausência dolorida de parentes, amigos e cidadãos brasileiros, cujas histórias foram interrompidas e cujos dons, memórias e talentos não mais servirão às suas famílias, igrejas e comunidades.

A terrível morte que, neste contexto, impede que nossos entes queridos tenham uma despedida adequada, o ritual do luto e a justa homenagem à sua memória.

O múltiplo luto enfrentado por muitas pessoas que perderam dois, três e até mais membros de sua família.

O número tão grande de órfãos, decorrente da pandemia.

O luto persistente que chega com as notícias funestas de conhecidos que morrem numa sucessão interminável.

O terror que se abate sobre cada um que testa positivo para a Covid-19 e que, mesmo depois da cura, sofre com as sequelas deixadas por ela.

A falta de empatia do governo federal para com aqueles que sofrem com a perda de seus queridos.

A ausência de reconhecimento e valorização dos profissionais da saúde por parte dos governantes.

A falta de articulação entre governo federal, estados e municípios no combate à pandemia.

Os desvios de verbas que deveriam suprir com celeridade ao Sistema Único de Saúde (SUS) e à rede complementar de saúde.

A falta de agilidade nos processos envolvidos para a aquisição de vacinas – o que contribuiu para este número tão alto de mortes.

O uso político, que minimiza essa tragédia brasileira reduzindo-a apenas uma guerra ideológica, desrespeitando a memória das vítimas e o luto de suas famílias.

A desinformação que ainda grassa nas redes sociais a partir de mensagens dúbias dos governantes sobre as vacinas, o uso de máscaras e o distanciamento social.

Lamentamos profundamente o fato de não termos enfrentado  essa pandemia com responsabilidade, unidade, fraternidade e sabedoria. Características fundamentais de um povo que segue a Jesus.

É tempo de lamentar e orar pela nação brasileira. É tempo de arrependimento e contrição.

Posts relacionados

Comments (1)

Deus continue abencoar o vosso trabalho. Grandes temas e boas reflexões profundas e edificantes

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.