No princípio criou Deus: vocacionados para cuidar e amar a criação.

“Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.” (Romanos 8.22)

No dia 22 de abril ocorreu a Cúpula do Clima 2021, reunião convocada por Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, a nação mais poderosa do planeta. Durante a reunião, cada líder de governo dos países participantes teve três minutos para apresentar suas propostas para o enfrentamento do aquecimento global.

Nos pronunciamentos feitos, ficou evidente que a humanidade precisa mudar a maneira como trata o planeta. O tempo político e econômico difere do tempo da natureza. Governos vêm e vão numa sucessão muito mais rápida que o crescimento de um jacarandá; a mudança de um plano econômico colhe seus frutos mais rapidamente que a recuperação de uma área desertificada. Uma espécie quando extinta não há política que a recrie.

Segundo vários especialistas, a Cúpula ocorre com atraso, e as metas, apesar de serem necessárias, são tímidas. Percebe-se em vários líderes apenas o desejo de procrastinar o enfrentamento da crise climática.

Entre nós [cidadãos? brasileiros? cristãos?], surgem algumas vozes justificando o ataque ao meio ambiente como sendo apenas um jogo político de globalistas. Apontam que a defesa das florestas e dos mares é um meio de impedir o desenvolvimento de nações emergentes. Ou até mesmo apresentam o argumento da destruição generalizada: já que os mais ricos acabaram com suas florestas, os mais pobres também têm o direito de fazê-lo. Seja qual for a justificativa para a realidade climática existe um ponto comum entre as nações, sejam monarquistas ou teocráticas, ditatoriais ou democráticas, capitalistas ou socialistas, ricas ou pobres. Todas, a seu modo e ritmo, destroem a natureza.

E o que os cristãos têm a ver com isso? Não moraremos no céu? Nossas mansões celestiais com vista especial para o rio da água da vida já não estão garantidas? Afinal, no apocalipse, hecatombes naturais e desastres climáticos não são esperados no tempo escatológico? Como dizem alguns: “Tomara que o mundo acabe em morro para eu morrer encostado”.

O Deus da Bíblia é o autor da criação,. No princípio, ele criou todas as coisas ordenando-as harmoniosamente. Criou o espaço e fez os planetas, criou as águas, a terra e toda a sorte de animais e plantas. Não fez de maneira mesquinha, foi abundante de tal forma que ainda hoje, com toda a tecnologia, descobrimos novas espécies.

Para a humanidade, ele deu a ordem de cultivar e guardar o jardim. O homem e a mulher foram formados como coroa da criação para usufruir, dominar e manter a Terra. Nasce no Éden o conceito de mordomia que apesar da Queda, não foi revogado. O homem e a mulher também deveriam nomear os animais, classificá-los, cultivar a terra, utilizar sua sabedoria para cuidar do meio ambiente para o sustento de sua família e descendentes. Nasce no Éden a capacidade de refletir, pensar, testar, pesquisar, fazer ciência – pois para nomear os animais e cultivar a terra é necessário desenvolver a botânica e a zoologia ; para distinguir/estudar as estações a climatologia e a astronomia; para a alimentação e a saúde, é preciso desenvolver a culinária, a química e a farmacologia.

Como cristãos, usamos o conhecimento para cumprir o mandamento divino de amar. Porque amamos a Deus, amamos Sua criação. Porque amamos o próximo, cuidamos da fonte de nossa alimentação e bem-estar. Porque amamos a vida, lutamos por ela a defendemos em todas as suas instâncias.

Sejamos responsáveis, engrossemos fileiras com os que defendem a vida com argumentos científicos. Temos uma tradição respeitável de cientistas cristãos como Gregor Mendel, Isaac Newton e atualmente Francis Collins. Existe todo um campo a ser desenvolvido na utilização de tecnologias limpas, sustentáveis. Incentivemos vocações científicas na defesa da criação divina. Que nossos jovens gastem sua vida na missão de salvar o planeta.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.