Sou Pastor, estou estressado e agora?

Sou Pastor, estou estressado e agora?

E há tristes resultados entre os entrevistados: 47% dos pastores evangélicos sofrem de transtornos mentais, 16% têm depressão e 13% não conseguem dormir normalmente.
Por: Dra. Maria Cândida Becker
P

Falar de stress em ministros evangélicos hoje parece uma grande novidade, mas o assunto preocupa desde os idos 1956, quando Blizard realizou uma pesquisa com 690 clérigos protestantes e concluiu que as principais causas eram: trabalhavam cerca de 10h por dia; dedicavam 40% do tempo à administração, atividade não apreciada e nem prioritária; estavam sempre de prontidão; sentiam-se empurrados em diferentes direções; deveriam estar atentos às muitas necessidades, desejos e expectativas dos outros; eram submetidos a estereótipos dos antigos pastores.

Será que isto mudou sessenta anos depois?

Descuido com a saúde mental; solidão; falta de conselheiros para compartilhar seus problemas; ativismo ministerial; falta de repouso adequado (férias e folgas); pressão institucional por resultados: número de membros e ofertas, foram os problemas levantados pelo Dr. Lotufo Neto (1996), em pesquisa sobre A Prevalência de Transtornos Mentais entre Ministros Religiosos.

E há tristes resultados entre os entrevistados: 47% dos pastores evangélicos sofrem de transtornos mentais, 16% têm depressão e 13% não conseguem dormir normalmente.

Os principais motivos para o stress mencionados por pastores em pesquisa no Projeto Timóteo (2008) foram: ativismo, vários papéis e carga de trabalho; falta de tempo para si e para família; dificuldade nos relacionamentos com hierarquia; falta de preparo; pressão por resultados; frustração por não atingir expectativas; finanças; falta organização (tempo – dinheiro – rotina).

O tempo passa, os motivos que levam pastores ao stress continuam os mesmos.

“O stress é o resultado de o homem criar uma civilização que, ele, o próprio homem não mais consegue suportar” (Selye).

Nem tudo é negativo no stress, segundo Lipp há o lado positivo: o organismo produz adrenalina, dá ânimo, vigor e energia; a pessoa produz mais; é mais criativa.

Porém, ninguém consegue ficar em alerta por muito tempo e o stress pode se transformar em excesso quando dura demais. Aí aparecem os aspectos negativos e o adoecer, ultrapassa os limites e esgota a capacidade de adaptação; o organismo fica destituído de nutrientes; a energia mental reduzida; a produtividade e capacidade de trabalho ficam muito prejudicadas; a qualidade de vida sofre danos.

Nossas igrejas estão cheias gente que sofre, não somente membros, mas pastores e suas famílias sofrem em silêncio por medo da rejeição, porque são levados a crer que se orarem mais, lerem mais Bíblia, confiarem mais em Deus e “carregarem a sua cruz”, estarão livres dos males emocionais.

Nenhum extremo é saudável.

A vida não é mais santa por causa de feridas emocionais. Nossas igrejas aceitam problemas de saúde espiritual e física, porém pouco ou nada falam da saúde emocional no contexto da santidade. A falta de saúde da psique pode ser um obstáculo ao crescimento espiritual e à santidade. Não ouvimos que quanto mais saúde emocional mais santidade, que a dor da ferida do coração incapacita a pessoa ser santa nessa área. Que com a ferida curada, pouco a pouco a pessoa se torna mais santa, mais parecida com Jesus.

Algumas estratégias para lidar com o stress

  • Cuide de si mesmo;
  • exerça seus papéis sem psicotizar;
  • reconheça, explore e desenvolva suas aptidões sem competir;
  • tome consciência tanto das aptidões como de seus pontos fracos;
  • aprenda a lidar com as vulnerabilidades que lhe causam stress;
  • perca o preconceito de procurar um profissional da saúde mental, lembre que sem sanidade não há santidade.

Termino parafraseando Lipp:

“Independentemente de a quem compete a responsabilidade de ações preventivas no campo da saúde mental, esta responsabilidade deve caber em primeiro lugar ao próprio ministro. A responsabilidade pela própria vida é de natureza indelegável. Não se deve delegar à igreja o dever de ser feliz. As igrejas têm, no entanto, a função essencial e também indelegável de contribuir para que seus ministros entendam a responsabilidade que têm pela promoção da sua própria saúde.”
autor: Dra. Maria Cândida Becker

Psicóloga, Mestre e Doutora em Saúde Mental.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.